Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Uruguaios os primeiros campeões em 1930

 

A primeira Copa do Mundo foi uma sucessão de incertezas. Dois meses antes da data marcada para a abertura oficial, nenhuma seleção havia confirmado sua participação. Pelo contrário, as únicas informações que a Associação Uruguaia de Futebol havia recebido do outro lado ao Atlântico eram que Itália, Espanha, Áustria, Hungria, Tchecoslováquia, Alemanha e Suíça, definitivamente não iriam a Montevidéu. As explicações era sempre as mesmas: para se levar uma seleção à América do Sul gastavam-se quinze dias para ir, quinze para voltar, mais vinte para disputar a competição. Isso significava uma ausência de quase dois meses. As Federações que adotaram o profissionalismo achavam que tanto tempo fora era, na verdade, perda de dinheiro. As amadoristas alegavam que seus jogadores não poderiam se ausentar por muito tempo de seus empregos.

Diante de tudo isso, os uruguaios começaram a temer pelo sucesso de sua grande festa. Jules Rimet se encarregou de fazer tudo para que a França se inscrevesse. O mesmo Rimet conseguiu que seus amigos da Iugoslávia também confirmassem sua participação. Outros apelos foram feitos para que a Bélgica e a Romênia não ficassem de fora do primeiro mundial de futebol. Pelos menos quatro países da Europa tiveram suas presenças confirmadas. Mas a indiferença europeia à sua festa não era o único problema que os uruguaios enfrentavam às vésperas da abertura da Copa. O Estádio Centenário, que começou a ser construído apenas seis meses antes numa localidade denominada Parque José Battle y Ordonez, ainda não estava pronto. Obra gigantesca, traçada pelo arquiteto Juan Scasso, com instalações modernas somente ficaria pronto depois do inicio do campeonato.

Alheio a todos esses problemas de seus vizinhos, o Brasil vivia seus próprios dramas. Desde que a realização da primeira Copa do Mundo fora confirmada, a Confederação Brasileira de Desportos fez questão de se incluir entre as primeiras a garantir sua presença. No dia três de maio de 1930, a CBD enviava a Associação Paulista de Esportes Atléticos uma lista com a relação de treze jogadores convocados. A APEA concordava com os jogadores convocados, mas não aceitava a comissão técnica com três cariocas. Queria, pelo menos, um paulista entre os membros da comissão. A CBD firmava o pé nos três cariocas e a polêmica se estendeu até o dia 12 de junho, menos de um mês do inicio da abertura da Copa, quando a APEA comunicou a CBD que não cederia jogadores para a seleção. Resultado: a CBD convocou vinte jogadores cariocas e mais um de Campos. Araken Patusca, resolveu brigar como Santos e furar o boicote paulista. Ele completou a lista dos vinte e dois convocados.

Sem um treinador, apenas com os três membros da comissão técnica para dar palpites ocasionais, a seleção realizou apenas dois treinos antes de embarcar no navio Conte Verde com destino a Montevidéu. Embora improvisada, inexperiente, sem refletir o bom nível técnico que o futebol brasileiro já atingira em 1930, a seleção chegou a Montevidéu para disputar sua primeira Copa do Mundo. O chefe da delegação, Afrânio Costa, nada tinha ver com o futebol. Era um desportista do tiro ao alvo, medalha de prata nos jogos olímpicos de Antuérpia em 1920. Horace Werner viajou apenas como secretário. Silvio Vasques e Otavio Antonio da Silva, como jornalistas. Gilberto de Almeida Rêgo era o arbitro brasileiro indicado pela FIFA e nenhum treinador. Pindaro de Carvalho, que seria o técnico, seguiu depois com os jogadores Joel e Teofilo. Com tudo isso, havia alguns trunfos. Fausto de Santos, a Maravilha Negra, centro médio e líder, começava a despontar com uma das mais curtas e brilhantes carreira de todo futebol brasileiro. Havia Preguinho, um atleta completo e muito inteligente. Russinho, um atacante cheio de malícia. Carvalho Leite, um tanque de coragem e goleador. E Araken Patusca, um grande craque e de drible fácil. Mas, isso não foi o bastante para impedir que nossa seleção fosse eliminada logo no primeiro jogo.

Como o numero de participantes era apenas de treze, e não dezesseis com se pretendia, o campeonato foi disputado pelo sistema eliminatório, mas com os países divididos em quatro grupos, cujos vencedores seriam, automaticamente, semifinalistas. O Brasil ficou no grupo dois junto com Iugoslávia e Bolívia. No dia 14 de junho, o time brasileiro escalado por Pindaro de Carvalho, entrava no encharcado campo do Parque Central para enfrentar a Iugoslávia. Fazia frio de quase zero grau. Os iugoslavos marcaram dois a zero no primeiro tempo. No intervalo, os brasileiros foram obrigados a se aquecerem com cobertores por causa do frio. Até chá quente os jogadores tomaram para vencer o frio. No segundo tempo, jogamos melhor e conseguimos apenas um gol através de Preguinho.

Quando o Brasil enfrentou a Bolívia no estádio Centenário, já estávamos eliminados porque a Iugoslávia, três dias antes, havia vencido os bolivianos e garantido a passagem para as semifinais. Para diminuir um pouco a tristeza, goleamos a Bolívia por 4x0 com dois gols de Preguinho e dois de Moderato. A nossa seleção sofreu algumas alteração para seu segundo compromisso. Nas duas semifinais, Uruguai e Argentina derrotaram Iugoslávia e Estados Unidos, a grande surpresa do campeonato. A finalíssima foi entre Uruguai e Argentina. Por três dias, em Montevidéu e Buenos Ayres não se falava em outra coisa. Na véspera do jogo, as barcas cruzavam o Rio Prata cheias de argentinos inflamados, a agitar bandeiras e cantar canções patrióticas. No outro lado, a confusão era ainda maior. Hotéis lotados, ingressos já nas mãos dos cambistas e muitas discussões sobre o jogo.

Oitenta mil torcedores lotaram o estádio Centenário. O juiz era o belga John Langenus. O primeiro problema foi resolvido pelo arbitro no sorteio. Como o regulamento não previa nada sobre a bola a ser usada, José Nazassi queria a bola uruguaia, e Manuel Ferreira exigia a bola argentina. Apesar deste clima nervoso dentro e fora do campo, o jogo transcorreu dentro de uma disciplina aceitável. Dorado fez 1x0 para os uruguaios e, logo depois, Peucelle empatou para os argentinos. Dominando o jogo, Stabile, o artilheiro da Copa, colocou a Argentina em vantagem. 2x1 foi o placar do primeiro tempo. Nos quarenta e cinco minutos finais veio a espantosa reação uruguaia. Cea empatou. Iriarte fez 3x2 para delírio de sua torcida que não parava de gritar e incentivar seus jogadores. No final da partida, Castro, El Manco, com uma cabeçada maravilhosa completou o marcador – Uruguai 4 x Argentina 2. Risos, lágrimas, abraços, a emoção tomou conta de toda seleção celeste. Os jogadores choravam e beijavam a bandeira do seu país que, logo depois, foi hasteada no topo da Torre das Homenagens que fica no estádio Centenário de Montevidéu. Os uruguaios eram os primeiros campeões do mundo e inscrevia seu nome na Taça Jules Rimet.


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site