Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Uma copa sob o signo da grandiosidade – 1982

 

Um ano antes, os espanhóis, já antecipavam: “Será a maior festa do futebol em todos os tempos”. Raimundo Saporta, um francês de 53 anos, presidente do Comitê Organizador do Mundial, não achava nenhum exagero. Um grupo formado pelas maiores agências de turismo e redes hoteleiras espanholas vendeu, com exclusividade, pacotes da Copa do Mundo, e fazia previsões grandiosas para cerca de 300.000 mil estrangeiros estariam presentes ao país por causa do futebol. O Governo espanhol via no mundial um milagroso meio de diminuir o desemprego, salvar inumares empresas da falência, modernizar os hotéis, asfaltar centenas de quilômetros de estrada construir escolas por toda a Espanha.

O mundial de 1982, seria também, um grande evento cultural. Nunca se tocou tanta musica em terras espanholas. Mostras especiais nos incontáveis museus. Atrações que se multiplicaram nos teatros, nas arenas e nas casas noturnas.

Naturalmente, também haveria muito futebol. Numa pesquisa em 17 países apontavam o Brasil como favorito absoluto com 51 %. A Itália figurava com um insignificante 0,4%. Em Maio, um computador italiano antecipava o jogo final da Copa: Brasil x Espanha. Esse favoritismo reconhecido lá fora, somado ao fato de Telê Santana ter realmente armado uma boa seleção, contagiou o Brasil inteiro. Pela primeira vez, desde 1970, o país vivia uma Copa com grande comoção coletiva. Enquanto o Brasil vivia esse crescente envolvimento, de confiança e otimismo, outros países entravam na Copa com humores distintos. A guerra das Malvinas estava em plena atividade, com mortes e destruição invadindo o pequeno arquipélago no sul do continente. Argentina e Inglaterra participariam da Copa na Espanha e, separaram as duas coisas, o absurdo da guerra de um lado e a festa do futebol do outro. A Inglaterra chegou a pensar em boicotar a Copa, mas preferiu esquecer a guerra e pensar no futebol. Entre exageros, bobagens e incertezas políticas, a Copa do Mundo começou no dia 13 de junho divididos em seis grupos de quatro países.

 

- Próximo artigo: Uma Hungria no caminho do Brasil em 1954


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site