Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Parreira - de burro a herói em 1994

 

Desde 1974 que o futebol começou a pincelar com sua arte um esquema defensivo bem organizado, onde a grande estrela não seria o meio campo, mas o libero. Enquanto o mundo se adaptava ao novo sistema, o Brasil não conseguia pegar o espírito da coisa. Jogadores como Dunga mandava a favas qualquer pretensão artística em troca de resultados. E ele provou que futebol competitivo também pode ser jogado com arte. A arte que lhe faltava era compensada pela aplicação tática e o foco concentrado no jogo.

Entretanto, nem todos defendiam o levantamento de barreiras contra a importação desta novidade. Um dos poucos que apoiaram a liberação foi Carlos Alberto Parreira. Os torcedores ficaram roucos de gritar por uma linha de ataque com Romário. Bebeto e Ronaldinho. Não importa os nomes dos atacantes escalados pelo povo, o importante é que se estava novamente, entrando no saudosismo do velho 4-3-3, já obsoleto. Diante da recusa de Parreira, a rouquidão da torcida piorou depois do coro de “Burro. Burro” com que se brindou o técnico. Sob certos aspectos estavam certos. Em algumas culturas a figura do burro, ao contrário de simbolizar estupidez, revela a teimosia diante da adversidade, a tenacidade. Parreira, neste caso, é burro. Carregou pedras nas costas, mas depois trouxe a Copa na caçamba.

Parreira foi herói para poucos e vilão para muitos. Durante a Copa nos Estados Unidos a seleção jogou à sua imagem e semelhança, demonstrando uma sólida aplicação tática. Uma equipe que não correu riscos, se contentou com qualquer resultado, desde que ele indicasse o triunfo. Uma seleção conservadora, sem ousadias, precisamente como seu técnico. Para Parreira, todos conheciam as táticas e técnicas. Depois, observou que a superioridade técnica do futebol brasileiro não era mais flagrante a ponto de nos conduzir as vitorias. Finalmente, observou que o futebol deixou de ser um esporte de exibição para se transformar claramente num esporte de competição. Parreira acreditava que, as questões fundamentais desse esporte não são mais como atacar, e sim com recuperar a posse de bola, e não mais como defender, e sim como obter espaços para ataques e defesas.

 

Próximo artigo: Sebastião Lazaroni o técnico da vez – 1990


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site