Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

O difícil começo da seleção de Parreira em 1994

 

Nos quase três anos que teve para montar um time a partir da desastrosa atuação na , Parreira sofreu. Experimentou dois volantes de marcação e declarou que seu trabalho prioritário era ensinar o time a jogar sem bola. O primeiro grande teste foi uma decepção. Perdemos a Copa América de 1993. Logo depois, novas decepções. O empate com o Equador e a derrota para a Bolívia. A cabeça do treinador ficou a prêmio e somente foi salva pelos dois gols de Romário no ultimo jogo das eliminatórias contra o Uruguai no maracanã.

O ritual de passagem da equipe esperança até o Olimpo dos campeões não foi propriamente uma navegação em águas tranquilas. Com a espinhosa tarefa de fazer a ligação do time aguerrido e burocrático dos volantes Dunga e Mauro Silva com o imprevisível Romário, o técnico chegou aos Estados Unidos para um período preparatório. Parreira teve um mês antes do primeiro jogo contra a Rússia. Para unir a força de Dunga ao talento de Romário, o treinador colocou os dois para serem companheiros no mesmo quarto. A combinação deu certo. Romário, um estranho ser que intercala períodos de alheamento com explosões de genialidade, começou a pedir e receber lançamentos do volante Dunga. A integração do estilo aplicado de marcação com os rasgos de talento de Romário e Bebeto, trouxeram o equilíbrio para o time na estreia.

A jornada do tetra campeonato foi feita por dois caminhos: inferno e paraíso. O time de Parreira, desde do primeiro jogo, especializou-se em provocar o desespero nos corações da torcida brasileira. Na decisão não poderia ser diferente. Depois do jogo, com a conquista de um tetra campeonato, com o coração em frangalhos, a torcida estava com um largo sorriso nos lábios. Zagalo, o verdadeiro tetra campeão, geralmente calmo, viu sua pressão arterial despencar depois da ultima de tantas voltas olimpíadas do time. Mais sereno, Parreira, desabafou: “Durante muito tempo, pediram que o Brasil jogasse de outro jeito. Mas, preferi fazer tudo do meu jeito, e o resultado está aí”. O dramatismo desta histórica campanha chegou ao paroxismo na final contra a Itália. O Brasil venceu nos pênaltis. Ganhou de um adversário que dignificou sua conquista.

 

Próximo artigo: O fracasso da Seleção brasileira em 1966


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site