Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Mesmo brilhante o Brasil perdeu a Copa do Mundo de 1982

 

Um ano depois de participar das eliminatórias e conquistar sua classificação para a Copa do Mundo de 1982, a seleção brasileira ainda não estava definida. O time comandado pelo competente Telê Santana, fez sua estreia no grupo VI contra a União Soviética, e foi marcada por uma série de interrogações. Primeira, a própria indefinição da equipe. Segunda, os pontos fracos que ficaram evidentes na falha incrível de Valdir Perez no gol soviético, as indecisões de Luizinho e a falta de um homem de frente mais hábil e menos solitário que Serginho. Mas, o Brasil venceu e as interrogações foram colocadas de lado para se comemorar uma boa estreia. A vitória de virada e um gol quase no final da partida, deu aos torcedores brasileiros um inicio de delírio. Um entusiasmo que não foi menor antes, durante e depois do segundo jogo.

Nesta segunda partida, a Escócia tentou um empate e terminou sendo goleada por 4x1. O Brasil já estava bem postado e seus craques jogavam um futebol bonito, clássico e objetivo. Cinco dias depois, embora enfrentando a fraca Nova Zelândia, o Brasil voltava a deslumbrar o mundo esportivo com outra grande exibição. Os 4x0 poderia ser dobrado. A torcida brasileira se empolgava a cada passe, a cada jogada, a cada gol do Brasil. Três jogos, três vitórias e novas comemorações. O Brasil estava classificado juntamente com a União Soviética.

A seleção brasileira estava jogando mais do que bem. Mesmo com Telê mantendo os três jogadores que atuaram mal na estreia – Waldir Perez, Luizinho e Serginho – o treinador conseguiu armar um grupo muito próximo de brilhante. Falcão, Zico e Sócrates, surgiam como as três mais importantes peças da seleção, exibindo um futebol a altura dos campeões de 1970. Outros coadjuvantes como Junior, Leandro e Oscar, mostravam-se quase no mesmo nível dos três principais astros da companhia. Até um jogador limitado como Eder, teve lampejos de craque. O Brasil era a melhor seleção da Copa. Desde de 1970, a torcida brasileira não tinha tantos motivos para acreditar na sua seleção.

A primeira partida da nova fase foi contra a tradicional Argentina. Mais uma grande exibição dos comandados de Telê Santana. Todas suas virtudes foram mostradas contra os argentinos de Maradona. Valendo-se de cérebro e coração, os brasileiros impuseram ao tradicional adversário uma derrota indiscutível de 3x1. O delírio da torcida brasileira ficou a beira da loucura. Alguns jornais chegaram a pedir aos torcedores moderação nas comemorações. O Brasil jogava bem mas ainda não tinha ganho nada. O próximo adversário seria a Itália, que até ali não convencera a ninguém, nem mesmo os próprios italianos. A imprensa havia criticado fortemente sua seleção e os jogadores se recusavam a conversar com os jornalista do seu país. Os brasileiros com um simples empate passariam para as semi finais.

O jogo foi programado para o Estádio de Sarriá, em Barcelona. Enquanto jogadores e imprensa da Itália não se falavam, o brasileiros estavam tranquilos e confiantes. Zezé Moreira, olheiro da seleção, passava para Telê todas as informações sobre a seleção italiana. E Zezé pedia cautela: “O técnico Bearzot armou um time sólido, aplicado, competitivo e que ocupava todos os espaços do campo. A Itália seria um grande adversário”. Telê Santana escutou tudo com muita atenção. Um comentarista de TV chegou a dizer que Zezé Moreira estava gagá.

E o jogo foi mesmo muito difícil. Naquela tarde de 5 de julho, os italianos tiveram um desempenho surpreendente até mesmo para seu técnico Bearzot. É verdade que a sorte esteve sempre ao lado da Itália. Apesar de ter jogado bem, o Brasil pagou por alguns erros cometidos e que redundaram em gols. O passe errado de Toninho Cerezo, os avanços de Junior quando o marcador nos era favorável e a desatenção dos zagueiros no centro do escanteio que decidiram o jogo. Entretanto, tudo isso aconteceu de surpresa, mas dentro da mais absoluta normalidade. Uma vitória brasileira também seria absolutamente normal. Entretanto, a sorte estava do outro lado.

De repente, tudo mudou. O Brasil, cujas ruas se haviam colorido de verde e amarelo, se tornaram cinzentas. A alegria das comemorações foi substituído pelo silêncio, o delírio pelo choro, o orgulho pela humilhação. Depois da Copa de 1950, era a primeira vez que a torcida brasileira fazia de uma derrota uma frustração de dimensões trágicas. Tudo mudou com a derrota para a Itália. Até mesmo aqueles de idolatravam o treinador Tela Santana, começaram a criticá-lo. A imprensa, da qual se esperava equilíbrio, passou a comentar com paixão. Antes do jogo com a Itália, jornais comentavam: “Agora podemos provar que o futebol brasileiro é o maior espetáculo da Terra”. Depois da derrota, os mesmo jornais sentenciavam: “Somente o primarismo infantil e teimosia poderia pensar que nossos adversário não iriam se aproveitar da falta de um ponta direita”. Sem os brasileiros, sem aqueles que jogaram o mais refinado futebol dos 24 países que se apresentaram na Espanha, a Copa seguiu em frente. O publico privado dos principais artistas do espetáculo, fez o que pôde para acompanhar com interesse o restante dos jogos.

 

Próximo artigo: O Brasil chega a Suécia em 1958 desacreditado


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site