Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Gilmar - A camisa de numero 13

 

Gilmar - A camisa de numero 13

- Ei, cadê a camisa 13?
O grito de espanto percorreu rapidamente o pequeno vestiário do estádio de Rasunda, em Estocolmo. A pergunta seguiu-se uma sensação geral de ansiedade em que todos aqueles jogadores que começavam a se preparar para o jogo final contra os suecos, na Copa do Mundo de 1958.

Mas qual seria o segredo da tal camisa 13, cuja falta fazia tremer aqueles homens que duas horas depois iriam assombrar o mundo com sua mágica habilidade e eficiência, numa aula definitiva sobre a suprema arte de se jogar futebol ? Por que Mário Trigo não contava mais suas piadas ? Por que Zito, Didi, Nilton e Djalma Santos ao conseguiam esconder sua intranqüilidade ? E onde estavam as otimistas palavras do Paulo Machado de Carvalho e seu inseparável terno marrom?

O ambiente de descontração e confiança tinha desaparecido. E tudo começou exatamente no momento em que aquele moço de 28 anos, dois anos como titular da seleção, chamado Gilmar, iniciava a velha rotina de vestir seu uniforme: meias cinza, calção e camisa de lã azuis. Tudo estaria bem se não fizesse frio. Mas ele queria a camisa que o protegia das baixas temperaturas suecas, desde da primeira partida. A supersticiosa e até então vitoriosa camisa treze.

O corre-corre estava armado. E o roupeiro Assis, ameaçado: se o Brasil perdesse o jogo decisivo, a culpa seria dele. Afinal, cadê a camisa 13 ? Onde já se viu esquecer a camisa que nosso goleiro usava por baixo do blusão azul ? Bem que Gilmar tentou argumentar que superstição não ganha jogo, que jogaria com qualquer camisa, que o problema era de frio, não era de numero. Mas a própria cúpula da delegação insistia em manter a tradição. Era demais: o time entrar desfalcado assim, sem as camisas amarelas, com o campo molhado e ainda mais sem a 13 do Gilmar.

O próprio Gilmar comentou anos depois – “Foi quando eu dei a sugestão. Se o caso é esse, vamos pegar a camisa três amarela e botar o numero um na frente, com esparadrapo. Dei a idéia mais para que o ritmo não fosse quebrado, para que a superstição não influísse negativamente. Uns acharam que não, que o ideal seria a camisa dos outros jogos, mas no fim, sem maiores alternativas, todos concordaram que, com esparadrapo, a camisa 13 estaria ali, firme e forte outra vez!”. E foi assim que Gilmar entrou em campo para disputar o jogo mais importante de sua vida.

Na lista dos jogadores brasileiros que iriam participar da Copa do Mundo de 1958, o goleiro Gilmar tinha o numero 3. Castilho tinha o numero 1 e Mauro o numero 13.

 

Próximo artigo: Jair da Rosa Pinto


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site