Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Depois da catástrofe a Copa do Mundo de 1962

 

No dia 21 de maio de 1960, o Chile conhecera a maior catástrofe de sua toda sua história. Um terremoto que começou em Concepción, com um ligeiro abalo, e acabou se estendendo por uma área muito grande. Os vulcões entraram em erupções, lavas foram atiradas a grandes distâncias, nuvens cinzas se elevaram a alturas nunca atingidas, montanhas se abriram ao meio e rios mudaram seus cursos. Em poucas horas, muitas cidades foram atingidas criando sérios problemas para o povo chileno. Calcula-se que mais de dois milhões de pessoas foram atingidas pela morte, doença ou desabrigo. O Chile é uma faixa estreita de terra que fica entre as Andes e o Pacifico. Os chilenos que sempre foram alegres e hospitaleiros, se transformaram, de repente, num povo duramente castigado com suas cidades semidestruídas.

Durante o Congresso que a FIFA realizara em Lisboa, quatro anos antes, ficara decidido que o Chile organizaria a sétima Copa do Mundo, em 1962. Muitos acreditavam que, depois da catástrofe, com um país em dificuldades financeiras e tendo que reconstruir praticamente tudo, o melhor seria mudar a sede da Copa. Carlos Dittborn, um chileno nascido em Niterói, no Rio de Janeiro, onde seu pai estivera em missão diplomática, era o presidente do Comitê Organizador do mundial. A ele cabia a resposta. E ele deu um categórico não. O Chile jamais abriria mão do direito de organizar o campeonato. Carlos Dittborn afirmava que, “apesar de estarmos tentando sobreviver a uma tragédia nacional, nosso povo precisa desta Copa do Mundo para esquecer o que vem sofrendo desde de 1960”. Se o Chile tinha pouco ou quase nada pronto para levar adiante o projeto de Dittborn, os chilenos garantiam que, na hora certa, teriam tudo.

Dois anos antes da abertura da Copa, os chilenos começaram a anunciar o mundial em rodapés de jornais, nos marcadores esportivos das principais cidades, andou na boca de um povo apaixonado por futebol e que podia se orgulhar da bravura de suas tradições. E tudo graças a Carlos Dittborn que morreu sem ver o resultado de seus esforços a frente da organização da sétima Copa do Mundo. Os chilenos conseguiram, como por milagre, esquecer durante três semanas, a maior tragédia da sua história para viver as emoções do futebol.

Se inscreveram cinquenta e sete países para disputar a Copa de 1962. Um novo recorde de participantes. Após as eliminatórias, os dezesseis país finalistas eram os mais legítimos representantes de seus continentes. Mais uma vez lá estava o Brasil para tentar o bi campeonato. Apesar do favoritismo, alguns cronistas europeus faziam restrições a nossa seleção. Chegavam a afirmar que “Ninguém pode contrariar a natureza. O Brasil joga um bom futebol, mas sua seleção está quatro anos mais velha, quatro anos mais cansada, quatro anos mais viciada num sistema que todos conhecem”.

 

Próximo artigo: Garrincha e a Taça Jules Rimet


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site