Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Bigode - Quer distancia do maracanã

 

Bigode - Quer distancia do maracanã

Foi aos 36 minutos do segundo tempo: Obdulio Varela apanhou a bola no meio do campo e jogou na ponta direita para Gighia. Gighia dominou Bigode na corrida e começou a correr. Para Bigode, mestre no carrinho, era fácil atirar-se por trás e tirar a bola ou pelo menos fazer uma falta. Mas Bigode continuou apostando uma corrida inútil, inexplicavelmente. Talvez esperasse dar um passo a mais, para tirar a bola sem o risco de cometer nenhum infração. Talvez esperasse que Juvenal viesse em seu socorro. Assim, Gighia entrou pelo bico da grande área e chutou: 2x1 para o Uruguai.

Nenhum outro jogador, entre os onze que perderam a Copa do Mundo de 1950, sofreu tanto quanto Bigode. A fama de covarde correu pelo país inteiro, com a mesma rapidez com que haviam se espalhado os gritos antecipados de “Brasil campeão”. Ele esperou as duzentos mil pessoas deixarem o maracanã e, quando já era noite, foi de ônibus para casa. Não dormiu: reviveu os lances do jogo, gravado na memória, principalmente a jogada de Gighia. O dia seguinte chegou e ele não fez nada. Simplesmente ficou esperando que alguma coisa acontecesse. E aconteceu. Os comentários de rádios e jornais eram para culpa-lo pela derrota.

Quando foi convocado jogava pela Flamengo. Depois voltou para o Fluminense e, em 1956, encerrou uma carreira de 15 anos. Em 1965, as mesmas seleções do Brasil e do Uruguai voltaram ao maracanã para um jogo de confraternização. E, embora Obdulio tivesse insistido para que Bigode comparecesse, ele não apareceu. Desde de 1950 que o maracanã não era um lugar agradável para ele. O maracanã e as pessoas continuavam achando que Bigode perdeu a Copa sozinho.

(reportagem com Bigode antes do seu falecimento)

 

Próximo artigo: As Copas do Mundo de futebol e suas curiosidades


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site