Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

A tragédia da Copa do Mundo de 1950

 

No dia 16 de julho de 1950, cumpria-se o último capitulo da história da quarta Copa do Mundo. Uma história que começou doze anos antes, em 1938, quando jornalista Célio de Barros, representante da CBD no congresso da FIFA realizado em Paris, lançou a candidatura do Brasil para organizar a Copa do Mundo de 1942. Embora Jules Rimet tivesse grande simpatia pelos brasileiros, a FIFA deixava claro que a candidatura lançada por Célio de Barros chegava um pouco tarde. A Alemanha, desde de 1936, quando organizara com pleno êxito os Jogos Olímpicos, vinha pleiteando o privilégio de patrocinar a Copa do Mundo de 1942. Claro, as duas candidaturas seriam devidamente estudadas pela FIFA, mas era quase certo de que o Brasil teria de esperar, pelo menos, até 1946.

Um ano depois, em setembro de 1939, Jules Rimet passava com um amigo por uma banca de jornais da Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro, quando viu uma pequena multidão se acotovelando para ler a manchete de um vespertino carioca – “Alemanha acaba de invadir a Polônia”. A noticia traduzida pelo amigo deixava Jules Rimet profundamente abalado. Estava no Rio justamente para estudar a candidatura lançada um ano antes pelo Brasil. Agora, a guerra vinha mudar tudo.

Como sempre, os pensamentos de Jules Rimet concentrava-se no futebol. Mesmo naquele momento em que as bombas nazistas eram lançadas no coração da Europa, ele se preocupava com a Copa do Mundo. Meses depois, ao saber que a Itália também entrara na guerra, não conseguiu evitar certas dúvidas. E a taça ? O que farão os italianos com a taça ? Muito tempo se passaria até que Jules Rimet e o mundo despertassem do terrível pesadelo da guerra para voltarem a viver o sonho do futebol. E, graças a um gesto heroico do engenheiro Ottorino Barassi, a taça escapara de desaparecer entre os escombros da guerra. Temendo que a taça fosse definitivamente incorporada ao tesouro de Mussolini, ou mesmo caísse nas mãos dos nazistas, Barassi, assim que estourou a guerra fugiu com a Jules Rimet para a Suíça. A deusa alada de ouro maciço ficou guardada nos cofres da FIFA, até que voltasse aos tempos de paz.

Em 1946, com a paz finalmente estabelecida, realizou-se em Luxemburgo o primeiro congresso da FIFA após a guerra. Com a Alemanha fora de cogitações, o Brasil ficava como único candidato para organizar a próxima Copa do Mundo, marcada para 1949 e, um ano depois, transferida para 1950. O prefeito do Rio de Janeiro, General Ângelo Mendes de Moraes prometeu construir um grande estádio para a disputa do mundial. A CBD propôs a FIFA um novo sistema para os jogos que seriam realizados no Brasil. Dezesseis finalistas distribuídos em quatro grupos de quatro. Dentro de cada grupo, os países jogariam entre si e o vencedor do grupo passaria para um turno final quando as quatro seleções também jogando entre si. O campeão seria o pais que conquistasse maior numero de pontos. Em principio, a FIFA não aceitou as mudanças. Henri Delaunay, assumira a presidência da FIFA e achava que a mudança do regulamente ia alterar o espírito da Copa. A CBD ameaçou retirar sua candidatura se a proposta não fosse aceita. Finalmente em 1948, tudo foi acertado. A Copa seria mesmo no Brasil com o regulamento imposto pelos brasileiros. E no mesmo ano começou os preparativos para construir o estádio que seria erguido no Derby Clube. Faltavam menos de dois anos para a abertura do mundial quando foi lançada a pedra fundamental do maracanã. Outros estádios, em São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Recife, seriam ampliados ou remodelados em poucos meses.

A quarta Copa do Mundo, se por um lado contava com duas presenças ilustres, o Uruguai que, depois de 20 anos, voltava a lutar pela taça de ouro e a Inglaterra, que finalmente, se filiava a FIFA. Tinha, porem, a ausência de alguns países não menos ilustres: Hungria. Checoslováquia e Polônia nem chegaram a participar das eliminatórias. A Áustria depois de confirmar sua presença, desistiu. A Alemanha arrasada pela guerra, não tinha sequer uma Federação de Futebol. Turquia, Índia e Escócia, embora tivessem assegurado suas vagas nas eliminatórias, preferiram não viajar para o Rio de Janeiro. França, Portugal e Irlanda, convidados para substituir essas vagas, não aceitaram. Na América do Sul, desistiram a Argentina, Peru e Equador. O resultado disso tudo é que dos dezesseis participantes apenas treze compareceram ao Brasil.

Entretanto, aqui no Brasil, ninguém dava bola para as ausência, a não ser, evidentemente, os dirigentes da CBD, sempre preocupados com um fracasso financeiro. O torcedor, o povão, só pensava mesmo era na nossa seleção, cujos treinos começaram com uma antecedência de quatro meses antes da estreia.

 

Próximo artigo: Ademar Pimenta - o técnico da Copa do Mundo de 1938


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site