Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Arena Fonte Nova poderá custar até R$ 781 milhões

 

Arena Fonte Nova poderá custar até R$ 781 milhões

O governo do Estado da Bahia entregou na manhã desta quinta-feira, 19 de julho, ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), um estudo que aponta um valor máximo referencial na obra da Arena Fonte Nova de R$ 781 milhões.

A entrega deste estudo visa a liberação dos 35% restantes (aproximadamente R$ 113 milhões) dos recursos do BNDES para a obra, orçados em sua totalidade no valor de R$ 323 milhões. O repasse foi barrado devido a um pedido dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, sob alegação que o projeto executivo da Arena não havia sido divulgado.

Segundo o trabalho realizado pela Empresa de Obras Públicas do Rio de Janeiro (Emop), contratada pela concessionária da Parceria Público Privada, Fonte Nova Negócios e Participações (FNP), este valor máximo de R$ 781 milhões já incorpora as modificações exigidas pela FIFA, que não estavam previstas no valor inicial da obra, de R$ 591,7 milhões.

Entre as obras incorporadas após exigências da FIFA estão o tipo de assento utilizado na Arena, a certificação de Sustentabilidade Ambiental (LEED), o projeto de Tecnologia da Informação (TI) e alterações na engenharia, que reduzem o tempo de evacuação da Arena Fonte Nova.

Segundo o secretário da Casa Civil do Governo da Bahia, Rui Costa, isto não significa que o custo real da obra será de R$ 781 milhões.

"A obra será executada com o mesmo valor do projeto inicial R$ 591 milhões, mas agregando as novas exigências feitas pela FIFA, e que já detalhamos no projeto entregue ao TCE para justificar o aumento. Este novo valor foi feito com base na planilha de preços da Emop, como se o projeto do estádio fosse lançado hoje".

O estudo foi recebido pelas promotoras Rita Tourinho (MPE) e Juliana Moraes (MPF), que não determinaram prazos para os resultados da análise.

"Os auditores do TCE vão analisar se os projetos entregues correspondem ao projeto executivo. Caso estejam de acordo, o BNDES voltará a fazer os aportes financeiros à Arena".


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site