Copas do Mundo
Página Inicial
Notícias
Artigos
História das Copas
Copa do Mundo de 1930
Copa do Mundo de 1934
Copa do Mundo de 1938
Copa do Mundo de 1950
Copa do Mundo de 1954
Copa do Mundo de 1958
Copa do Mundo de 1962
Copa do Mundo de 1966
Copa do Mundo de 1970
Copa do Mundo de 1974
Copa do Mundo de 1978
Copa do Mundo de 1982
Copa do Mundo de 1986
Copa do Mundo de 1990
Copa do Mundo de 1994
Copa do Mundo de 1998
Copa do Mundo de 2002
Copa do Mundo de 2006
Copa do Mundo de 2010
Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo de 2018
Copa do Mundo de 2022
Mascotes das Copas
Copa das Confederações
Livro de Visitas
Links
E-mail

 

Estados decidirão sobre venda de cerveja nos jogos da Copa de 2014

 

O texto da Lei Geral da Copa receberá uma emenda para garantir sua aprovação no plenário da Câmara dos Deputados sem a permissão explícita da venda de bebidas alcoólicas durante os jogos da Copa do Mundo de 2014. A informação foi dada pelo líder do PT na Casa, Gilmar Tatto (PT/SP), após reunião com governadores e o ministro do Esporte, Aldo Rebelo.

A votação estava prevista para esta terça-feira (20-03), mas foi adiada por 24 horas para que a oposição tenha uma resposta do governo sobre a votação do novo Código Florestal.

Assim, se a lei for aprovada, os Estados que abrigarão as partidas do Mundial terão que definir em normas próprias sobre a autorização de venda de bebidas alcoólicas.

Atualmente, graças a uma norma do Estatuto do Torcedor, é proibida a venda de bebidas alcoólicas em qualquer estádio brasileiro, durante qualquer competição. Ocorre que a FIFA tem entre seus patrocinadores a marca de cerveja Budweiser. De acordo com a FIFA, em 2007, quando o Brasil se candidatou para sediar a Copa de 2014, o então presidente Lula teria assinado uma série de garantias, entre elas a de que não haveria impedimento para a promoção e a venda de produtos das marcas patrocinadoras da FIFA.

"Quando o Brasil aceitou receber a Copa do Mundo, as cidades-sedes também concordaram com as exigências da FIFA. Vamos cumprir todos os contratos que assinamos. A vitória no Congresso vai acontecer”, afirmou Gilmar Tatto. O parlamentar relembrou também que os estados e cidades-sedes também se com compromissaram com a FIFA. "E foram duas vezes. A primeira em 2007, quando ainda eram candidatas a receberem os jogos, e, mais tarde, quando a FIFA as indicou".

De acordo com o relator da Lei Geral, Vicente Cândido (PT/SP) a "versão atual do projeto de Lei Geral permite (a venda de bebidas alcoólicas), mas a FIFA terá que negociar com os Estados que, por lei, impedem a comercialização". Sete dos 12 Estados (incluindo o DF) que receberão a Copa têm leis específicas proibindo o álcool nos estádios – São Paulo está entre eles.

De acordo com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, a falta de definição na Lei Geral sobre a questão da cerveja não interfere no cumprimento dos compromissos estabelecidos com a FIFA. “Tanto o texto enviado pelo governo ao Congresso quanto o relatório do deputado Vicente Cândido contemplam as garantias assumidas pelo governo quando aceitou receber a Copa, em 2007”, ressaltou Aldo.

Definição em 24 horas 

O líder do Democratas na Câmara, ACM Neto (DEM/BA) afirmou que, sem uma data para a votação do Código Florestal, "não há clima para votar nada". "A sociedade demanda a votação da Lei Geral da Copa, mas também quer a resolução do Código Florestal. Não adianta votarmos algo que o governo quer sem garantia de votarmos algo que o Parlamento quer", afirmou.

O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT/SP) disse que o adiamento não trará prejuízos à votação, mas não garantiu que a decisão será tomada mesmo se o Palácio do Planalto não fixar a data de votação do Código Florestal.


Última atualização: 24/09/13. Política de privacidade  |  Mapa do Site